Pular para o conteúdo principal

Alfabetização emocional é prioridade para pais e escolas no pós-pandemia

Crédito: Diego Wladyka/Colégio Positivo

Nunca se falou tanto de autoconhecimento e saúde emocional como nos últimos anos. A pandemia trouxe mudanças de comportamento e acendeu alerta sobre os sentimentos das pessoas. O que sentiu uma criança privada da convivência com os amigos? Na volta à "vida normal”, empresas e, principalmente, escolas retomam esse assunto de forma enfática, buscando contribuir com questões emocionais e desenvolvimento do ser humano como um todo, e desde bem pequenos, por meio da alfabetização emocional.

Estudiosos afirmam que, assim como a aprendizagem em outras áreas, as emoções também precisam ser desenvolvidas. De acordo com a coordenadora da Educação Infantil do Centro de Inovação Pedagógica (CIPP) do Colégio Positivo, Hannyni Mesquita, sem o desenvolvimento da inteligência emocional, muitas vezes, outras habilidades são comprometidas. “As questões socioemocionais impactam diretamente na forma como interagimos uns com os outros e conosco mesmo. Na ordem cognitiva, quando bem desenvolvida, o indivíduo tem o perfil para perseverar, construir e reelaborar o conhecimento e gerenciar situações cotidianas. Quantos casos de pessoas que sabem o conteúdo, mas na hora da prova “dá um branco”, ou, durante uma discussão diz “desculpe, não acredito que falei isso”, ou, ainda, brigas no trânsito iniciadas por situações simples?”, destaca.

Segundo Hannyni, são exemplos de atitudes do cotidiano nas quais as pessoas não tiveram inteligência emocional suficiente para lidar com a situação. A importância de desenvolver a inteligência emocional desde cedo foi logo identificada pelo casal Harry e Meghan Markle. Ao escolher a primeira escola para o pequeno Archie, de 3 anos, os pais priorizaram uma que ensina alfabetização emocional e gentileza, no Canadá.

No Brasil, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) já incluiu o ensino das competências socioemocionais nas escolas, trabalhando a Alfabetização Emocional, que permite à criança a identificação das emoções, o autoconhecimento e a autorregulação e, consequentemente, o entendimento e gerenciamento de comportamentos, sentimentos e emoções. Para a coordenadora Pedagógica do Colégio Positivo - Jardim Ambiental, Bárbara Gobbo, as práticas relacionadas à alfabetização emocional corroboram com a ruptura da crença de que as crianças mais inteligentes são aquelas que apresentam melhor desempenho acadêmico, mostrando que, muitas vezes, as que sabem trabalhar colaborativamente, gerindo bem seus pontos fortes e fracos e socializando saberes de maneira assertiva, podem ter aprendizagens muito mais duradouras e significativas. “Nosso grande objetivo ao educar emoções é que os estudantes cresçam sabendo gerenciar todo conhecimento construído, aplicando-o em sua vida em sociedade, de maneira assertiva, empática, ética e colaborativa”, ressalta.

Para contribuir com esse desenvolvimento, os educadores criaram o projeto "Criativamente". “Além de jogos desplugados, atividades maker, propostas de trabalhos e criações em grupo que desenvolvem o pensamento criativo do aluno, o projeto conta com a utilização do recurso de um software. A plataforma é totalmente interativa e, por meio das propostas orientadas pelos professores, os alunos são convidados a programar suas próprias histórias, jogos e animações - e compartilhar criações com outros membros da comunidade on-line. Nesse projeto, jogos dramáticos oriundos do teatro também são fortes aliados para completar o desenvolvimento das habilidades”, afirma a coordenadora de Anos Iniciais do CIPP do Colégio Positivo, Domus Aurea.

Segundo ela, o papel da escola na alfabetização emocional das crianças não descarta a importância da atuação das famílias. "O envolvimento familiar é fundamental para ampliar as possibilidades de desenvolvimento emocional. É preciso ensinar e permitir que as crianças expressem emoções, iniciando com a identificação do que estão sentindo", destaca.

Hannyni explica que, em um primeiro momento, é o adulto quem ajuda a identificar e nomear essas emoções, isto é, se está triste, com medo, com raiva. "Isso permite que a criança crie uma autoconsciência. Porém, não adianta apenas identificar, é preciso permitir que a criança expresse sua emoção, seja verbalizando, dramatizando ou desenhando. E, por fim, é necessário que ela aprenda a controlar tudo isso. Sem o controle das emoções, temos um mundo violento, egoísta e destrutivo. Saber controlar o que sentimos nos possibilita desfrutarmos de maneira racional das nossas tomadas de decisões, e, aliadas à empatia, teremos mais respeito nas relações”, finaliza.

Comentários