Pular para o conteúdo principal

5 dicas para começar a investir no mercado de Criptomoedas

Divulgação

 Com menos de R$ 5 já é possível investir em criptomoedas, inclusive em Bitcoins, moeda virtual mais valorizada no mundo. Operadoras de câmbios sérias, informação e estudos sobre a modalidade financeira são essenciais para não cair em golpes de estelionato

No mês de outubro de 2021, a moeda virtual Bitcoin chegou a custar US$ 67 mil e movimentou o mercado virtual de criptomoedas. Apesar de ainda desconhecida do grande público – estima-se que apenas 1% no mundo conhece – as criptomoedas já são uma realidade e devem fazer parte do cotidiano muito em breve.

Engana-se quem pensa que é preciso ter U$$67 mil para poder começar a investir em Bitcoin. Para investir nessa, e em outras moedas virtuais com valores bem mais acessíveis, é possível começar uma carteira com menos de R$ 5, dependendo da operadora de câmbio virtual contratada, conhecida como “Exchange”. A BitPreço, por exemplo, é um marketplace que conecta várias corretoras que negociam ativos digitais (as chamadas exchanges) em um só lugar. O intuito é que o investidor de criptomoeda possa buscar os melhores preços para vender e comprar ativos virtuais, como Bitcoin, Ethereum, BNB, USDT, entre outras criptomoedas.

O que é preciso saber para iniciar no mercado de ativos virtual?

1. Procure uma operadora de confiança.
Esta é a primeira dica para quem pretende investir em criptomoedas, para não correr o risco de cair em golpe. É com uma operadora que o investidor vai abrir uma carteira. Ela funciona como se fosse uma conta bancária, que vai gerar um código que é só seu. É por meio desse código pessoal que você vai poder comprar e vender criptomoedas. Esses dados, informações pessoais e todas as movimentações financeiras ficam armazenados nas chamadas “Blockchains”, que são como bancos virtuais.

2. Não tenha pressa para comprar.

Valdiney Pimenta, CEO da BitPreço, explica que o investimento em criptomoedas é indicado para quem está visando longo prazo. “Por isso é importante conhecer primeiro como funcionam essas transações. A exchange vai ajudar nesse processo e não tem custo para abrir uma carteira. Na BitPreço, nós contamos com 12 moedas virtuais, inclusive Bitcoin, Ethereum e Solana”.

3. Diversifique a sua carteira.
Este é outro ponto importante para ter em mente para quem deseja investir em criptomoedas. Assim como qualquer investimento, o mercado cripto tem seus riscos. Então se você apostar todo o dinheiro em uma moeda só, estará mais exposto aos riscos de baixa do que se fizer uma carteira mais diversificada e equilibrada.

4. Invista em conhecimento sobre criptomoedas.
“Se você quer começar no mercado cripto, o maior investimento é o conhecimento. Procurar cursos sobre carteiras e tributação. Existem poucas pessoas milionárias no planeta. Para ser um deles, é preciso deixar o medo de lado e pensar que lá na frente, teu dinheiro pode valer o triplo do que se tem na carteira. O mercado está muito promissor. A criptomoeda Solana é uma das promessas na qual vale a pena ficar de olho. Os games com NFTs também devem movimentar o mercado cripto e estudar o assunto pode trazer bons rendimentos”, conclui Pimenta.

5. Previna-se de golpes! Aprenda a analisar ativos com certificado de segurança.

De acordo com o delegado da Polícia Civil do Paraná, Emmanoel David, titular da delegacia de Estelionato, as moedas digitais, diferentemente do real ou dólar, não são tangíveis - elas existem mediante a transações realizadas pela internet. Por isso, é preciso analisar a procedência e o uso das moedas. “Uma das principais dicas para não cair em golpes envolvendo criptomoedas é procurar uma exchange de confiança. Tenha em mente e procure exchanges que tenham certificações de segurança”, indica.

Outra dica do delegado é levar em consideração o investimento na moeda, para não correr o risco de cair em golpe de pirâmide. “Criptomoedas e pirâmides não são a mesma coisa. Criptomoedas são ativos legais, contudo, podem ser utilizadas para golpes que envolvem esquema de pirâmides, onde um investidor inicial convida outros investidores e lucra em cima deles, sem a necessidade de vender nada. Ou seja, ele só trabalha com produtos virtuais e não faz investimentos. O esquema de pirâmide subsiste com o ingresso de novas pessoas no esquema, o que é ilegal”.

Por fim, Emmanoel David indica: “Não use fóruns de internet e não compartilhe dados e informações em excesso sobre a sua carteira ou quantidade de bitcoins que você tem”, orienta e delegado.

Comentários