Pular para o conteúdo principal

Mudanças e oportunidades

Conheça as reflexões da professora e consultora Mara Beckert sobre o ano que começa.



Como garantir o futuro, num país onde a maior certeza são as incertezas? Como ser feliz em meio a tantas pressões e apelos? Como direcionar a carreira profissional?

Indo para Brasília no ano passado, ouvi um interessante relato do meu companheiro de voo...

“Trabalhava como um tufão e não via o tempo passar, minha vida estava fora de controle, do lado afetivo e financeiro, na verdade estava anestesiado pelas metas que conquistava. As frequentes viagens de trabalho serviam de justificativa para a ausência de relacionamentos estáveis e para a falta de proximidade com família e amigos. O estar só era uma constante aliviada no consumo exagerado de bebidas, comidas e analgésicos. Por isso, gastava muito... até que num acidente de carro quebrei as pernas (literalmente). Tive que ficar ‘parado’, entrei em crise e hoje falo que foi a melhor crise, porque graças à ela, resgatei a minha vida. A crise ‘acendeu a luz’, para entender que no ‘escuro’, aceitamos seguir sem enxergar, mesmo sabendo que pode ter muita coisa ao nosso redor. Acredito que por isso temos tanto medo, medo de ver o que precisamos assumir: a nossa própria vida. Enfim, mudei minhas prioridades porque descobri que a felicidade mora no poder da escolha”.

O cenário vivenciado por cada profissional em seu contexto, revela várias possibilidades, desde mudanças comportamentais, de atividades ou até de emprego. O que vale como reflexão aqui, é a atitude individual, ou seja, as definições pessoais de prioridades e estilo de vida. Cada um de nós tem uma forma única de enxergar os movimentos da vida, e a ideia é como ampliar essa visão para romper as barreiras naturais dos medos.

É interessante pensar que temos medo do novo, como se não tivéssemos consciência que a cada dia quando acordamos, vamos enfrentar uma nova realidade. Temos a falsa ilusão de que tudo estará como deixamos no dia anterior. Nossa sensibilidade e nossa percepção parecem ter sido blindadas pela multiplicação de informações do cotidiano.

A vida acontece na mudança. É um movimento contínuo de interatividade mental e orgânica. Por isso, viver de verdade significa aderir conscientemente às mudanças. E mais, aprender a se desenvolver com elas.

E como se faz isso? Como podemos ficar conscientes dos benefícios das mudanças diárias inevitáveis? Assumindo a AGP - agenda da gestão pessoal: DEFINIR – DECIDIR – EXECUTAR – AVALIAR - RECOMPENSAR. Muitos conseguem definir o que querem profissionalmente, mas não decidem como obter aquilo que definiram, e alguns até decidem, mas não executam. Os que executam são aqueles que muitas vezes se destacam. Entretanto, se não avaliam o que fazem, podem instalar a síndrome do “sou o melhor”. Por isso, é importante avaliar se o que foi feito está de acordo com o que foi definido e criar uma justa recompensa.

Vale dar o devido crédito do mérito e reconhecer o valor da própria atuação. Aqueles que fazem isso, podem sentir o frescor de cada dia. Eles assumem o risco da mudança como energia para construir caminhos viáveis diante das possíveis adversidades. Eles buscam sempre traduzir as próprias realizações em legados.

Comece com coisas pequenas, com o firme propósito de assumir o processo do seu desenvolvimento. Não espere que os infortúnios da vida imponham as mudanças.

O tempo passa rápido, mas não atentamos para o fato de que isso revela o nosso “prazo de validade”: E que precisamos aproveitar os movimentos da vida como oportunidades de desenvolvimento pessoal e profissional. Então, vamos aproveitar 2015 pois, quanto mais instável é o cenário, maiores são os incentivos para o nosso potencial de atuação.

Comentários