Pular para o conteúdo principal

Box ou cama de estrado?



Na hora de escolher uma cama, diversos fatores devem ser levados em conta, desde o peso da pessoa que vai dormir nela, até o tamanho do cômodo. Muita gente tem optado pelo box no lugar das tradicionais versões de estrado pela sua praticidade e tamanho reduzido. Porém, eles oferecem muitas outras vantagens.

Diego Muller Milani, gerente de produtos da Camaleão Colchões, explica que o box é apenas a parte de baixo dos conjuntos normalmente vendidos. “Ele serve para elevar a altura do colchão, tornando mais fácil subir e descer da cama, mas, mais importante do que isso é a sua ação anti-impactos, pois sua estrutura firme e plana sustenta o colchão, reduzindo seu desgaste”, afirma.

Já as camas de estrado, segundo Milani, proporcionam uma sustentação desigual e promovem um desgaste inadequado das molas, reduzindo o tempo de vida dos colchões. “Além disso, algumas não possuem uma estrutura muito forte, sendo inadequadas para pessoas muito grandes e pesadas. Antes de adquirir é importante conversar com o vendedor para escolher o modelo mais indicado ao tipo físico de quem vai dormir na cama”, ensina.

Outra vantagem do box é o seu tamanho, equivalente ao do colchão. “Por não possuírem a estrutura de uma cama tradicional, de madeira, metal ou outros materiais, eles otimizam o espaço existente nos quartos”, diz a designer de interiores Caroline Coraiola, adepta ao design clean e prático dos produtos. “Para facilitar, as marcas procuram oferecer o colchão e o box nas mesmas tonalidades e em tecidos cada vez mais bonitos e confortáveis”, informa a designer.

Existem vários tipos de box no mercado, mas no Brasil o mais conhecido é o estruturado, também chamado de Sommier. “Ele consiste em uma caixa de madeira recoberta em tecido e possui um custo muito atraente. O Spring, por outro lado, é o box original, ou seja, como criado inicialmente nos Estados Unidos. Ele possui o interior composto por molas com o objetivo principal de criar um sistema de dormir perfeito junto aos colchões. Em compensação, possui um custo bem mais elevado”, esclarece Milani. Para quem tem pouco espaço disponível, existe ainda versões de box com cama auxiliar, baú ou gavetões, que servem para guardar roupas de cama e cobertores pouco utilizados, entre outros objetos.

Para quem acha o vão entre o chão e o box muito pequeno, dificultando a limpeza, Milani garante que esse problema pode ser eliminado ao se optar por uma versão com rodinhas acopladas. “Com elas, basta empurrar e limpar. A limpeza do box, por sua vez, deve ser feita da mesma maneira que a do colchão: com um pano levemente úmido e sabão neutro, uma vez por mês para tirar o pó”, completa o gerente.

Comentários