Pular para o conteúdo principal

Setor plástico busca alternativa para sobreviver no mercado

O SIMPEP – Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado do Paraná e entidades nacionais buscam junto ao Governo Federal, alternativas para evitar uma falência em massa e um grande desemprego no país. Algumas das solicitações ao Governo são: o repasse direto do impacto dos aumentos nos preços dos produtos plásticos, a ampliação para 90 dias no prazo de pagamento dos tributos federais e estaduais e, a reduzir para zero as alíquotas de importação de matérias primas.
Dirceu Galléas, presidente do SIMPEP disse: “O setor plástico conta com 11.200 indústrias de transformação no Brasil e é responsável por 312.000 empregos. Hoje o preço das resinas no Brasil é o mais alto do mundo e o polietileno representa 70% do preço final de muitos produtos. O monopólio da Petrobrás na área de petróleo e derivados, como também sua participação acionista em todas as Petroquímicas mostra a falta de regras claras, e uma política eficiente, desrespeitando as indústrias e os empregos que elas proporcionam, não se preocupando com a continuidade de um setor que é de suma importância para a economia brasileira”.
O setor plástico do Paraná está vivendo um momento de extrema preocupação, as altas das resinas termoplásticas, ultrapassaram 20% em menos de um mês, tornando delicada a situação das empresas transformadoras e, da população que também é atingida diretamente com os aumentos nos preços dos produtos plásticos. Para as indústrias fica difícil o repasse das altas, pois em um país como o Brasil, com inflação baixa e auto-suficiente em petróleo é impossível os clientes acreditarem em tantas mudanças de preços.
Os produtos plásticos são indispensáveis no dia-a-dia e, os constantes aumentos têm dificultado a sobrevivência dos transformadores que são formados na maioria por pequenas e médias empresas, que para sobreviverem necessitam de uma carteira de pedidos que foram fechados com preços fixos, não sendo possível renegociá-los, ficando difícil sobreviver no atual mercado sem o repasse das altas.

Comentários